Na continuidade das políticas coloniais, as políticas internacionais de saúde pública construíram-se historicamente numa tripla abordagem sanitária, económica e sociopolítica.

No âmbito da primeira, prevaleceu, desde os anos 50 até aos nossos dias, uma abordagem epidemiológica global, omnipotente e omnisciente, sem enraizamento local junto das sociedades e dos indivíduos, dos seus modos de vida e sistemas de crença. Os seus efeitos negativos, imediatos e de longo prazo, devem ser medidos tanto no plano sanitário, psicológico e epidemiológico como no plano social e político em tantos Estados em falta.

Para a segunda, a saúde humana e animal é um mercado cuja dimensão não cessa de crescer com a demografia e os investimentos públicos e privados. Nesta questão de vida ou de morte, a «mão invisível do mercado» colide com a ética, individual e colectiva, mas joga-se das relações de força económicas e das estratégias de e estratégias de sobrevivência para maximizar os seus lucros individuais, custe o que custar à comunidade.

Para a última, a ambivalência de uma abordagem salvadora, missionária ou humanitária, prosseguiu, no mesmo período, adaptando-se aos diferentes avatares das políticas de controlo dos territórios e das suas riquezas, naturais e humanas. Dos impérios europeus às independências, passando pelos impérios americano-soviético, os jogos de poder evoluem, em metástases em muitos casos, mas sempre se parecem.

Tendo em conta as situações mais actuais, como na crise da cólera no Haiti de 2010 a 2018, e as situações históricas anteriores, como nos Camarões da década de 1950, Será possível hoje dar um passo de lado para aprender com os nossos fracassos e construir um novo paradigma sanitário, político e social?

Os debates serão animados por:

  • Professor Renaud Piarroux, Professor de Parasitologia-Micologia, Chefe do Serviço de Parasitologiemycologia La Pitié-Salpêtrière (Paris), especialista em doenças infecciosas e tropicais, é mundialmente reconhecido pela sua experiência de cólera. É membro da Global Task Force On Cholera Control (OMS) e conselheiro da UNICEF e do Ministério da Saúde e da População (Haiti) sobre a gestão da epidemia de cólera.
  • Philip Alston, Relator especial das Nações Unidas sobre a pobreza extrema e os direitos humanos desde 2014, ensina Direito na Faculdade de Direito da Universidade de Nova York, onde co-dirige a Carne Direitos Humanos e Justiça Global.
  • Guillame Lachenal, Professor de História da Ciência na Universidade Paris Diderot. Estuda história e antropologia da biomedicina na África. É coordenador do projeto MEREAF «Memórias e Restos da Investigação Médica em África», uma exploração antropológica e arqueológica das ruínas e memórias associadas ao passado nos …memórias associadas ao passado em instituições médicas africanas. Desde 2015, é presidente do Comité Científico das Ciências Sociais e da Saúde Pública da Agência Nacional de Investigação sobre a SIDA e as Hepatites Virais (ANRS).

O workshop é acolhido na Faculdade de Medicina, Universidade Aix-Marselha, no âmbito de uma parceria com a unidade de investigação SESSTIM .

Baixar o programa completo

button-1295902_1280E para aqueles que não estão em Marselha, pela primeira vez este ano, vamos experimentar uma transmissão ao vivo deste workshop: >> junte-se a nós em streaming! >> Reviver o debate em vídeo (em francês)

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account